casas inteligentes

O que, afinal, faz uma casa ser “inteligente”?

O que faz uma casa ser inteligente ? Post da Chris Campos no Blog da Tecnisa Fala-se muito em casas “espertas” e “inteligentes”. Hoje dei uma voltinha pela banca de jornais do bairro e me deparei com a chamada de capa de uma das minhas revistas favoritas, a ELLE Decor UK: “The smartest apartments in NY”. Dei uma folheada rápida e encontrei ambientes recheados com móveis de design elaborado, linhas sinuosas, riqueza (no sentido mais aspiracional do termo) em todos os detalhes. Ou seja, uma casa cara. Eram bonitas, sem dúvida. Se você entrar na Tiffany’s também encontrará jóias muito “smart”, para usar um termo da moda. Missão mesmo é tornar uma casa real, com móveis nem sempre assinados por um designer top de linha, complementada com itens charmosos e não necessariamente caros, em uma casa “inteligente e esperta”. Tenho sido testemunha ocular de algumas transformações domésticas. Gente que muda de espaços grandes para outros um pouco menores. Que tem de se desfazer de algumas peças, mas não perde o espírito empreendedor de tornar o espaço em que vive o mais agradável possível. Em cidades como São Paulo (ou NY, para voltar ao link da revista), espaços reduzidos são freqüentes. Especialmente se você escolhe um bairro bacana como habitat. Escolhas... Nem sempre é possível ter tudo junto: bairro incrível + casa enorme, certo? Mas é muito viável transformar o espaço de maneira inteligente. Casas “espertas” têm móveis na medida certa. Espaços arejados, mesmo que em dimensões reduzidas. Pensar a casa como um espaço que lhe dê o máximo de prazer é uma atitude das mais inteligentes. Para você, um bom espaço pode envolver móveis planejados e alta tecnologia. Para outros, bom mesmo é viver num cantinho com uma cozinha tão aconchegante quanto seu bistrô favorito. Ou ter sol entrando pela janela toda manhã. Para o seu vizinho, smart mesmo pode ser ter todos os quartos transformados em suítes. Para a sua melhor amiga, um banheiro enorme, com banheira e chuveiro para duas pessoas, é o máximo em termos de esperteza. Resumindo: casa esperta é aquela que atende às suas necessidades básicas e também inclui uma boa parcela de sonho realizado. O que é muito diferente da casa da revista.