Decoração

Arquitetura Feminina

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, resolvemos homenagear 3 arquitetas responsáveis por obras que foram símbolos de suas épocas, protagonistas da identidade do local onde foram projetadas e fundamentais para desenhar a história da arquitetura brasileira. Confira abaixo uma breve biografia de Freusa Zechmeister, Jô Vasconcellos, Lina Bo Bardi e inspire-se! FREUSA ZECHMEISTER Natural de Minas Gerais, a arquiteta e designer Freusa Zechmeister mistura o antigo com o novo em perfeita harmonia, utilizando diferentes tipos de materiais e uma diversidade audaciosa de cores vivas. Em 2017, Freusa participou do programa Casa Brasileira do canal GNT (Globosat), assinando a reforma de um sítio, onde optou por intensificar o toque campestre do local com uma fachada magenta, misturada a amplas janelas de vidro e estrutura em pedras. Atualmente, faz parte do projeto de um hotel boutique no Instituto Inhotim – MG, composto por bangalôs coloridos e com telhados repletos de vegetação rasteira, o que permitirá uma integração harmoniosa da estrutura com os acervos de arte contemporânea e coleção botânica do parque. JÔ VASCONCELLOS Jô Vasconcellos é conhecida por construções compostas por linhas retas, superfícies planas e blocos sólidos – características que, ao primeiro olhar, podem parecer simples, porém são elementos de projetos que esbanjam densa complexidade espacial e que costumam ser protagonistas da paisagem urbana em que são construídos. Uma obra recente de Jô Vasconcellos, que segue fielmente o estilo contemporâneo da arquiteta, foi o Museu da Cachaça em Salinas – MG; o edifício em azul índigo é integrado a uma grande praça aberta ao público, característica estrutural que reage com harmonia ao espaço e também resgata o compromisso de acolhimento social de um museu. LINA BO BARDI Arquiteta ítalo-brasileira, Lina Bo Bardi também foi professora, designer gráfica, figurinista, editora de revistas e curadora de exposições - em todas as áreas que atuou, foi pioneira e teve presença marcante. Lina faleceu aos 78 anos em 1922, deixando um legado inspirador na arquitetura brasileira com projetos como o MASP (Museu de Arte de São Paulo), Sesc Pompéia e a Casa de Vidro, que foi sua residência e hoje é sede do Instituto Lina Bo Bardi, aberto para visitantes contemplarem sua vasta fachada de vidro - que parece flutuar sobre os pilares que a sustentam - e jardim de 7.000 m² com vegetação preservada. Para saber mais sobre esta mulher inspiradora, clique aqui e confira o post que fizemos para homenageá-la neste mesmo dia em 2017!